Home Turismo VITÓRIA-ES o encanto na diversificação do turismo

VITÓRIA-ES o encanto na diversificação do turismo

157
3

Este Vídeo pode ser visualizado em tela inteira clicando nele e indo direto para o Youtube.

Assistam também na TVABCD o programa CHEGAQUI especial do Espírito Santo (14/07) e o Miriam Petrone Recomenda do dia 21/07.

Esta semana trago para vocês um pouquinho da cidade de Vitória-ES e alguns circunvizinhos.

A minha hospedagem foi no Hotel Ilha do Boi, situado na ilha de mesmo nome, é administrado pelo Senac, e é um hotel escola com ótimos profissionais, sob a direção do senhor José Lino Sepulcri Presidente da Fecomércio-ES, que tive o imenso prazer de entrevistar. O hotel é dono de uma vista magnífica cercado por belas praias. Um lugar bucólico que dá vontade de ficar o dia todo sentada e apreciando a ilha de Vitória ao longe.

A gastronomia é um capítulo a parte, num esplendor de sabores. O almoço no PortoMare com a Moqueca Capixaba estava delicioso.

À noite jantamos na companhia do Secretário de Turismo Antonio Bispo e Paulo Fonseca Jr., Presidente da ADETUR e proprietário da Fomatur, nosso receptivo no restaurante da chef Regina Maris. A Regina Maris é dessas pessoas que cativam pela alegria com que nos recebe e o sorriso franco e sincero contagia quem estiver por perto.

Foi a primeira vez que experimentei jiló, prato que concorreu na Roda de Boteco e faturou o 3º lugar, em versões anteriores ela já conquistou os primeiros lugares.

Foi um enorme prazer fazer o Miriam Petrone Recomenda especial do Espírito Santo, na companhia de Regina Maris.

As famosas panelas de barro do Espírito Santo são fabricadas num trabalho artesanal e secular. Desde a preparação do barro usado, a confecção de cada peça, o acabamento (alisamento com pedra do rio), a queima, o açoite a base de tanino (retirado da casca das árvores do mangue) para dar coloração específica as panelas.

Uma visita pelo Circuito Pitanga – no município de Serra.

E foi no Sítio Ouro Velho que experimentei a melhor Galinhada de minha vida. Lá somos recebidos pelos perus que habitam no local e faz a recepção dos visitantes. Um lugar no meio de montanhas e muito verde que nos convida a aguçar a visão em busca do novo. E cheguei bem perto de um jacaré, eu não… a Rebecca…Aja coragem!

Após o almoço ainda tive tempo de tirar uma soneca na rede.

A alta gastronomia também é forte em Vitória, Juarez Campos, proprietário do Oriundi é uma sumidade no assunto. Suas massas já ganharam diversos prêmios e hoje ele é um dos mais consagrados do Espírito Santo e de todo o Brasil, e tem o título de tetracampeão de melhor Chef do Estado pela revista Veja Espírito Santo.

Mergulhei na história através do passeio no Trem das Montanhas Capixabas partindo da estação de Viana e, na cidade de Domingos Martins, a primeira estação que o trem faz parada conhecemos o Sr. Gustavo com 100 anos, ele faz questão de recepcionar cada passageiro do trem com um abraço e um sorriso de causar inveja aos jovens de plantão.

A XII Italemanha 2011 na cidade de Marechal Floriano com barracas típicas, tradições perpetuadas de geração em geração, une as duas nações, Itália e Alemanha, com imigrantes que vivem na região. O caminho para chegar até lá é por trilhos e túneis construído entre as pedras, muito verde e desfiladeiros. Um deslumbramento de paisagens magníficas e descortinadas entre as montanhas capixabas.

E no dia da pizza (10 de julho) não poderia deixar de experimentar uma redonda, no Grupo Salsa, Tiago seu proprietário recria pizzas com sabores originais. Antenado a tudo, ele é grande conhecedor da culinária do mundo todo, e viaja sempre em busca de novos sabores para incrementar suas iguarias. Os restaurantes que compõem o Grupo Salsa são conhecidos pela inovação. Para atender melhor os clientes Tiago abriu o delivery, e ainda em Vitória no dia da inauguração, pude fazer o teste do atendimento, rapidez na entrega e qualidade do produto. Excelente em todos os aspectos. Recebi a pizza no hotel em poucos minutos e muito saborosa.

As paisagens que compõem Vitória são mesmo mágicas, a 3ª ponte, o porto que fica praticamente no centro, a ilha vizinha a Ilha do Boi, a Ilha do Frade é composta por grandes mansões e habitantes famosos no mundo da política e artístico. O marido da cantora Wanessa Camargo, Marcus Buaiz, tem propriedade lá.

A apenas 20 minutos a praia de Manguinhos convida para um banho no mar.

Depois uma moqueca e Bobó de Camarão para refazer as energias no restaurante Enseada, do Geraldinho. Andar pela orla paradisíaca e parar para colher e comer um Abricó, fruta nativa da região, degustar um sashimi do peixe recém chegado nas embarcações de pescadores. Uma cerveja no Maria Mariana para relaxar, um bar com a decoração mais original que encontrei por lá.


E no caminho de volta visitar a Casa de Pedra, construída com rochas dos arrecifes e dos morros próximos, onde fica a residência e estúdio do artista plástico Neusso, em Jacaraípe, este é o seu nome, ele não faz questão do sobrenome. Conheci a arte mais linda e pura, esculturas de todos os tipos, tamanhos e formas esculpidas em tronco de árvores. Tem até um cavalo em tamanho natural, que arrisquei subir e me deixar fotografar. Vale a pena conhecer o local.

O trajeto gastronômico ainda continuou noite adentro, no Caranguejo do Assis, em Vila Velha. Para exercitar a paciência pedi um caranguejo, que de tão grande e suculento, me deixou sem apetite, mas, depois de vários chopes eu degustei uma lingüiça especial: de peixe. Alguém aí já comeu? Deliciosa.

Visitar o centro velho de Vitória é sinônimo de cultura e história, as igrejas, o Teatro Carlos Gomes, que me traz muitas lembranças de 1976 quando assisti à peça O Guarani, pela primeira vez. As muitas praças, as construções nos remetendo ao passado tão intrínseco na modernidade.

O antigo cais do hidroavião da década de 40 que foi usado para as primeiras ligações aéreas entre Vitória com outras capitais do País.

E no Museu da Vale, antiga Rio Doce, um marco da história contada por fotografias e uma maquete que mostra a grandiosidade da importância desta empresa para o crescimento de Vitória. Uma parada para o almoço no Café do Museu, a base de lagosta e camarões VG, num antigo vagão de trem.

Convento da Penha em Vila Velha é um dos santuários mais antigo do Brasil com uma vista deslumbrante. Do alto se avista as praias de Vila Velha, Vitória, Ilha do Boi e do Frade e a fabrica dos chocolates Garoto.

O porto de Tubarões ao fundo, uma base do exército ao pé do morro, e a ponte grandiosa que liga Vitória a Vila Velha. Olhar o mar até os olhos perderem de vista. E saber que a saudade trará as lembranças desta visão cinematográfica.

A despedida Capixaba foi no Restaurante Regina Maris, e, mais uma vez conferi a culinária que é uma explosão de sabores.

O prefeito de Vila Velha, Neucimar Fraga, também foi degustar o prato especial de Jiló, e conversando sobre gastronomia fui convidada para fazer a cobertura da Festa do Chocolate em Outubro. Uma festa que promete ser deliciosa, uma extravagância de gostosuras.

Agradeço a Antonio Bispo, Secretário de Turismo de Vitória, a José Lino Sepulcri (um ser humano completo), Presidente da Fecomércio, a Paulo Renato Fonseca Jr., Presidente da ADETUR e proprietário da Fomatur, ao Subsecretário de Turismo Leandro Tononi e aos novos amigos Fabrício Faustini, assessor de comunicação da secretaria de turismo, ao Cristóvão, nosso guia e motorista, a guia de turismo Izalete Armani e a todos os proprietários de restaurantes que me proporcionaram a oportunidade de fazer parte da família capixaba durante a minha estada na capital.

Convido vocês a visitarem o Espírito Santo, e vá com calma, aconselho a reservarem um tempo maior, porque é um estado que tem muitas coisas para ver, muito que comer e muitas alegrias.

Agradeço a vocês leitores,  por permitir que eu divida a minha experiência de viagem numa leitura simplista das emoções vividas durante estes dias maravilhosos.

Até a próxima cidade…

AnteriorSEMPRE A MESMA COISA
Próximo“Ahora sólo falta caminar”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here